Agronegócio de Rondônia se consolida como pilar econômico e vem superando as barreiras impostas pela pandemia

30/03/2021 21:48

O Governo do Estado de Rondônia conseguiu superar as metas econômicas voltadas às atividades do campo neste período de pandemia. A propulsão do setor vem aumentando a cada ano e superando as expectativas de rendimento. Conforme a Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) o levantamento do Valor Bruto de Produção (VBP) referente ao ano passado ultrapassou os R$ 15 bilhões. A meta prevista no Plano Estratégico do Governo era de R$14 bilhões. O fechamento do primeiro trimestre de 2021 já aponta que o resultado do VBP deste ano pode bater novamente a meta. O relatório constata a soma de R$ 18 milhões.

Essa linha de crescimento só pode ser obtida graças ao apoio do Governo do Estado no setor. O agronegócio é uma das áreas que concentra maior atenção do Governador Marcos Rocha, pois além de ser um dos pilares econômicos mais sólidos da sociedade rondoniense, é responsável pela geração de emprego, renda e desenvolvimento do Estado. O Executivo rondoniense vem priorizando investimentos voltados à agricultura e a pecuária de modo a permitir que o setor mantenha o ritmo de desenvolvimento.

Ainda de acordo com a Seagri, no ano passado, somente a agricultura gerou R$ 4,9 bilhões em VBP. Deste total, R$ 2,3 bilhões correspondem às lavouras de soja, R$ 1,02 bilhões do cultivo do milho e R$ 975,2 milhões da cultura do café. Ainda neste período, a pecuária bateu a marca de R$10,2 bilhões em VBP. Deste total, R$ 9 bilhões correspondem à cultura de bovinos, R$ 908,9 milhões através do leite, R$ 250 milhões da cultura de frango, R$ 49 milhões da produção de ovos e R$ 1,6 milhões da cultura de suínos.

Segundo o titular da Seagri, Evandro Padovani, apesar do cenário pandêmico, o agronegócio em Rondônia vem apesentando resultados positivos. Um dos fatores que comprovam isso são os dados que compõem o Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de 2020 no país, os quais confirmam crescimento de 1,9%, na comparação com os três anos anteriores. “O agro do Estado não parou. Continuamos com os plantios, colheitas e produção, mas com toda segurança para garantir a saúde do produtor rural em meio a essa pandemia. Continuamos com o nosso abastecimento de alimentos garantindo, portanto, comida na mesa dos rondonienses e renda para o homem do campo, exatamente como determinou o Governador Marcos Rocha”, enaltece o secretário.

Padovani destaca, também, que no começo da crise sanitária, a Seagri ofereceu apoio aos trabalhadores rurais que atuam nas feiras livres dos municípios. Em abril do ano passado, algumas recomendações de boas práticas para evitar a transmissão do vírus entre trabalhadores e consumidores foram apresentadas aos prefeitos como forma de dar continuidade às atividades do segmento em cada região. Entre as principais medidas, o trabalho deveria ocorrer ao ar livre e não poderia haver contato direto do consumidor com os alimentos expostos nas bancas. “Distribuímos vários materiais, kits de prevenção contra a Covid-19 aos feirantes, bem como frequentadores das feiras”, destaca o Secretário.

CONQUISTAS NA AGRICULTURA E PECUÁRIA

Durante a pandemia, algumas conquistas na agricultura e pecuária local foram destaques para o ano de 2020. “Superamos todos os desafios que o momento nos trouxe. Os produtores respeitaram as medidas e seguiram as recomendações de plantio, colheita, produção e comercialização”, explica o Secretário da Seagri.

Entre as ações desenvolvidas pela Seagri está a edição 2020 Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café de Rondônia (Concafé), realizado de forma remota, tendo recorde em premiações e pontuações. Dos premiados, o destaque foi da cafeicultora Luciana Franklin, de Novo Horizonte do Oeste. Ela venceu a quinta edição do evento obtendo 90,42 pontos.

Ainda neste ano, os cafés do Estado também se destacaram nacionalmente obtendo o título de melhor produto do ano na categoria “canéfora fermentação induzida”, no concurso “Coffee of the year”, da Semana Internacional do Café. Em primeiro lugar ficou Ediana Capich, do sítio Santo Antônio, também de Novo Horizonte do Oeste.

Além da Agricultura, o sucesso foi, também, da pecuária que, por conta dos investimentos e ações do Governo de Rondônia, através da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril (Idaron), alcançou o status sanitário de “livre de febre aftosa sem vacinação”, com reconhecimento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O próximo passo, de acordo com a Seagri, é elevar essa colocação a nível internacional, com reconhecimento da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE).

Padovani explica que todas essas ações que a Seagri desenvolve só é possível graças a todo suporte que o Governo do Estado canaliza para o fortalecimento do setor produtivo.

PROGRAMAS DE APOIO

Da mesma maneira, por meio da notificação recomendatória  02/2020/Seagri/Cafamiliar em março de 2020, a Seagri permitiu a permanência do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), projeto que beneficia agricultores, cooperativas e associações, colaborando com a agricultura familiar e tornando-a destaque em Rondônia, sendo classificada pela União como atividade essencial por meio do decreto nº 10.282.

No ano passado, o Governo do Estado investiu mais de R$ 10 milhões na aquisição de alimentos de produtores da agricultura familiar. O PAA Rondônia, neste ano, disponibilizou um recurso no valor de R$ 1.731 milhão e o PAA Federal disponibilizou R$ 9 milhões.

O programa é realizado em parceria entre as três esferas executivas: União, Estados e Municípios. Ele fomenta a produção agrícola familiar e as aquisições são direcionadas à rede pública e filantrópica.

Ainda de acordo com Padovani, em 2020 houve investimos de mais de R$ 3 milhões, provenientes do Fundo de Investimentos e Apoio ao Programa de Desenvolvimento da Pecuária Leiteira de Rondônia (Proleite), no transporte gratuito de 20 mil toneladas de calcário, com o objetivo de atender os pequenos produtores e fortalecer o agronegócio do Estado. As 20 mil toneladas de calcário entregues vão recuperar em torno de seis mil hectares de solo degradados. “Esta é mais uma ação que realizamos em meio a pandemia para ajudar o produtor rural a produzir mais. Duplicar a produção de leite com oferta de melhor pastagem e alimentação aos bovinos, além de aumentar a produção de carne, leite, café, cacau, peixe, entre outras culturas”, explica o secretário.

EXPORTAÇÃO

Outro segmento importante do agronegócio rondoniense é a exportação. Países como Coréia do Sul, Itália, Vietnã, Índia, China, Espanha, Israel, Alemanha, Rússia, Portugal, Egito, México, consomem boa parte da produção estadual e os produtos mais solicitados são soja, milho, algodão e até mesmo a madeira que ainda é extraída na região. Segundo levantamento da Secretaria da Agricultura, durante a pandemia, Rondônia exportou mais de U$ 1,3 bilhão (este valor corresponde ao valor total exportado pelo Estado. A tabela de exportação é subdividida em produtos oriundos da indústria de transformação, agropecuária, indústria extrativista e outros produtos), batendo recorde em relação a anos anteriores. Somente a agropecuária exportou U$ 474.2 milhões (este valor é em Dólar).

UM ANO SEM RONDÔNIA RURAL SHOW

A Rondônia Rural Show do ano passado foi cancelada por causa da pandemia. O evento genuinamente rondoniense ganhou proporções internacionais devido sua importância sociocultural e até mesmo econômica. Ainda assim, o evento manteve sua responsabilidade social e colaborou fortemente com a população. De acordo com o representante da Seagri, o valor do custo da feira, R$ 2.2 milhões, foi remanejado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) para auxiliar as ações de combate contra o coronavírus, uma forma de fortalecer ainda mais o enfrentamento à pandemia. A edição 2021 do evento está suspensa devido ao alto índice de contágio causado pela Covid-19.

FONTE: jornalinforondonia.com

Voltar

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!